PLANILHAS E TABELAS

Números e Informações sobre o bambu no Brasil e no mundo.

São milhares de pesquisadores ao redor do planeta a percorrer matas, campos, brejos e encostas na busca de novas espécies. Hoje mais de 1500 espécies registradas. Estão divididos em cerca de 90 generos. Na família Poaceae ou Gramineae subdivide-se em duas tribos, os lenhosos na Bambuseae e os herbáceos na Olyrae. Na Ásia estão 64%, na África e Oceania 4% e nas Américas 34%, divididos em 41 gêneros e 440 espécies, sendo que 85% dos bambus herbáceos encontram-se novo mundo.

 

Nomes comuns

Plantadores, colecionadores, amantes e admiradores do bambu, livros de jardinagem nacionais e estrangeiros e paisagistas frequentemente referem-se aos bambus pelos nomes comuns.

 

Nomes em Português e respectivos nomes botânicos

Brasileiro Bambusa vulgaris vittata
Balde Dendrocalamus giganteus
Cará Chusquea Kunth
Caratuva Nastus barbatus (Guadua tagoara)
Criciuma Aulonemia Goudot
Cambaúba, Cambaúva Actinocladum verticillatum
Bambajuva Aulonemia ulei
Gurixima Chusquea capituliflora
Gigante Dendrocalamus asper
Putinga Chusquea leptophylla
Pitinga Chusquea tenella
Taquaripará Chusquea mimosa
Taiwan Dendrocalamus latiflorus
Estaca de tomate Bambusa tuldoides
Comum Bambusa vulgaris
Japonês Phyllostaquys bambusoides
Chinês, vara de pesca Phyllostaquys aurea
Cana-da-Índia Phyllostaquys aurea
Taboca – Região Norte Guadua sarcocarpa
Taboca – Região Centro-Oeste, Nordeste Guadua paniculata Munro
Taboquinha Guadua weberbauery
Taquari Merostachys burchellii Munro
Taquara-poca, samburá, carajá Merostachys speciosa
Taquara de espinho, Região Sul Guadua trinii Rupr.
Taquara-lixa Merostachys skvortzovii
Taquara miúda Merostachys fischeriana
Taquarinha, caará, criciúma. Chusquea meyeriana Rupr. ex Doll
Taquararetê Apoclada simplex
Bambu Brabo Guadua superba
Taquaruçu Apoclada sp.
Taquaruçu, Região Sudeste Chusquea gaudichaudii Kunth
Taquaruçu, taboca gigante – Região Sul Guadua chacoensis
Taquaruçu – Região Centro Oeste Guadua magna
Madake Phyllostaqhys bambusoides
Ratiku Phyllostachys heterocycla
Mossô Phyllostaquys pubecens

 

Fonte: www.florabrasiliensis.cria.org.br em 05/03/2017

 

Nomes Japoneses

 Nomes Japoneses Nome Botânico
Hachiku Phyllostachys nigra ‘Henon’
Hoteichiku Phyllostachys aurea
Kikkochiku Phyllostachys edulis ‘Heterocycla’
Kumazasa Sasa veitchii (not Shibataea kumasaca)
Kurochiku Phyllostachys nigra
Madake Phyllostachys bambusoides
Medake Pleioblastus simonii
Moso Phyllostachys edulis
Narihira Semiarundinaria fastuosa
Okame-zasa Shibataea kumasaca
Yadake Pseudosasa japônica

 

Nomes chineses

 Nomes chineses Nome botânico
Cha Gang zhu Pseudosasa amabilis
Che Tong zhu Bambusa sinospinosa
Fang zhu Chimonobambusa quadrangularis
Fo du zhu Bambusa ventricosa
Gui zhu Phyllostachys bambusoides
Han zhu Chimonobambusa marmórea
Hong Bian zhu Phyllostachys rubromarginata
Hou zhu Phyllostachys nidularia
Hui Xiang zhu Chimonocalamus pallens
Jin zhu Phyllostachys sulphurea
Ma zhu Dendrocalamus latiflorus
Mao zhu Phyllostachys edulis
Qiong zhu Chimonobambusa tumidissinoda
Ren Mian zhu Phyllostachys aurea
Shui zhu Phyllostachys heteroclada
Wu Ya zhu Phyllostachys atrovaginata
Xiang Nuo zhu Cephalostachyum pergracile
Zi zhu Phyllostachys nigra

 

Nomes em inglês

 Nomes em inglês Nome botânico
Arrow Pseudosasa japônica
Beechey Bambusa beecheyana
Blue Himalayacalamus hookerianus
Black Phyllostachys nigra
Buddha‘s Belly Bambusa ventricosa
Candy Stripe or Candy cane Himalayacalamus falconeri ‘Damarapa’
Canebrake Arundinaria gigantea
Chinese Goddess Bambusa multiplex ‘Riviereorum’
Chinese Thorny Bambusa sinospinosa
Common Bambusa vulgaris
Dwarf Fern Leaf Pleioblastus distichus
Dwarf Whitestripe Pleioblastus fortunei
Fernleaf Bambusa multiplex ‘Fernleaf’
Fountain Fargesia nítida
Giant Thorny Bambusa bambos
Giant Timber Bambusa oldhamii
Green Mountain Yushania alpina
Golden Phyllostachys aurea
Golden Golden Phyllostachys aurea ‘Holochrysa’
“Heavenly Bamboo” not a bamboo (Nandina domestica)
Hedge Bambusa multiplex
Himalayan Blue Himalayacalamus hookerianus
Horsehoof Bambusa lapidea
Iron Range Neololeba atra
Japanese Timber Phyllostachys bambusoides
“Lucky Bamboo” not a bamboo (Dracaena sanderiana)
Male Dendrocalamus strictus
Marbled Chimonobambusa marmórea
Mexican Weeping Otatea acuminata subsp. aztecorum
Monastery Thyrsostachys siamensis
Oldham’s Bambusa oldhamii
Painted Bambusa vulgaris ‘Vittata’
Punting Pole Bambusa tuldoides
River Cane Arundinaria gigantea
Square Chimonobambusa quadrangularis
Stone Phyllostachys angusta & P. nuda
Sweetshoot Phyllostachys dulcis
Switch Cane Arundinaria tecta
Tea Stick Pseudosasa amabilis
Temple Semiarundinaria fastuosa
Timor Black Bambusa lako
Tonkin Cane Pseudosasa amabilis
Tortoise Shell Phyllostachys edulis ‘Heterocycla’
Tropical Black Gigantochloa atroviolacea
Umbrella Fargesia murieliae
Water Phyllostachys heteroclada
Weaver’s Bambusa textilis
Wine Oxytenanthera braunii
Yellow Groove Phyllostachys aureosulcata

 

 

Tabela de Sinonimos e nomes atualizados

Nomes antigos (AKA) Nomes usados na América
ACIDOSASA gigantea INDOSASA gigantea
ARTHROSTYLIDIUN sp. (hort) CHUSQUEA circinata
ARUNDINARIA alpina YUSHANIA alpina
ARUNDINARIA amabilis PSEUDOSASA amabilis
ARUNDINARIA anceps YUSHANIA anceps
ARUNDINARIA auricoma PLEIOBLASTUS viridistriatus
ARUNDINARIA falconeri DREPANOSTACHYUM falcatum ‘var. sengteeanum’
ARUNDINARIA fangiana SAROCALAMUS fangianus
ARUNDINARIA hookerianus HIMALAYACALAMUS hookerianus
ARUNDINARIA macrosperma ARUNDINARIA gigantea
ARUNDINARIA maling YUSHANIA maling
ARUNDINARIA tessellata THAMNOCALAMUS tessellatus
ARUNDINARIA vagans SASAELLA ramosa
BAMBUSA arundinacea BAMBUSA bambos
BAMBUSA dissemulator BAMBUSA dissimulator
BAMBUSA edulis BAMBUSA odashimae
BAMBUSA forbesii NEOLOLEBA atra
BAMBUSA glaucescens BAMBUSA multiplex
BAMBUSA multiplex ‘Green Alphonse’ BAMBUSA multiplex ‘Midori Green’
Bambusa mutabilis Bambusa textilis ‘Mutabilis’
Bambusa tuldoides ‘Clone X’ Bambusa sp. ‘Clone X’
Bambusa tuldoides ‘ventricosa’ Bambusa ventricosa
Bambusa variegata (hort.) Bambusa glaucophylla
BAMBUSA vulgaris ‘Striata’ BAMBUSA vulgaris ‘Vittata’
BASHANIA faberi SAROCALAMUS faberi
Borinda boliana Yushania boliana
CHIMONOBAMBUSA falcata HIMALYACALAMUS hookerianus
Chusquea breviglumis Chusquea culeou
CHUSQUEA breviglumis CHUSQUEA gigantea
CHUSQUEA nigricans CHUSQUEA culeou ‘Ca?a Prieta’
CHUSQUEA quila CHUSQUEA valdiviensis
DENDROCALAMUS affinis BAMBUSA emeiensis
DENDROCALAMUS membranaceus BAMBUSA membranácea
DREPANOSTACHYUM falcatum HIMALAYACALAMUS hookerianus
DREPANOSTACHYUM falconeri DREPANOSTACHYUM falcatum ‘var. sengteeanum’
DREPANOSTACHYUM hookerianum HIMALAYACALAMUS falconeri ‘Damarapa’
DREPANOSTACHYUM sengteeanum HIMALAYACALAMUS falconeri
FARGESIA angustissima BORINDA angustissima
FARGESIA crassinodus THAMNOCALAMUS crassinodus
Fargesia dracocephala Fargesia apircirubens
Fargesia dracocephala ‘White Dragon’ Fargesia apircirubens ‘White Dragon’
FARGESIA frigida BORINDA frigidorum
FARGESIA fungosa BORINDA fungosa
FARGESIA sp “A-4” FARGESIA adpressa
Fargesia sp. ‘rufa’ Fargesia dracocephala ‘Rufa’
GELIDOCALAMUS fangianus SAROCALAMUS fangianus
GIGANTOCHLOA atroviolacea ‘Timor Black’ BAMBUSA lako
GIGANTOCHLOA luteostriata BAMBUSA luteostriata
GIGANTOCHLOA verticillata GIGANTOCHLOA pseudoarundinacea
Himalayacalamus asper Himalayacalamus planatus
HIMALAYACALAMUS falconeri ‘glomeratum’ DREPANOSTACHYUM falcatum ‘var. sengteeanum’
HIMALAYACALAMUS intermedius Yushania boliana
HIMALAYACALAMUS planatus Neomicrocalamus microphyllus (hort.)
HIMALAYACALAMUS planatus HIMALAYACALAMUS asper (hort.)
NEOMICROCALAMUS microphyllus HIMALAYACALAMUS planatus
NEOSINOCALAMUS affinis BAMBUSA emeiensis ‘Chrysotrichus’
Otatea acuminata ‘Mayan Silver’ Otatea glauca ‘Mayan Silver’
OTATEA aztecorum OTATEA acuminata ssp. aztecorum
PHYLLOSTACHYS cerata PHYLLOSTACHYS heteroclada
PHYLLOSTACHYS congesta PHYLLOSTACHYS atrovaginata
PHYLLOSTACHYS decora PHYLLOSTACHYS mannii ‘Decora’
PHYLLOSTACHYS heterocycla PHYLLOSTACHYS edulis ‘Heterocycla’
PHYLLOSTACHYS heterocycla pubescens PHYLLOSTACHYS edulis
PHYLLOSTACHYS heterocycla pubescens ‘Anderson’ PHYLLOSTACHYS edulis ‘Anderson’
PHYLLOSTACHYS purpurata PHYLLOSTACHYS heteroclada ‘Purpurata’
PHYLLOSTACHYS purpurata ‘Solidstem’ PHYLLOSTACHYS heteroclada ‘Solidstem’
PHYLLOSTACHYS purpurata ‘Straightstem’ PHYLLOSTACHYS heteroclada
PLEIOBLASTUS akibensis PLEIOBLASTUS kongosanensis ‘Akibensis’
PLEIOBLASTUS gramineus ‘Raseetsu-chiku’ PLEIOBLASTUS gramineus ‘Monstrispiralis’
PLEIOBLASTUS variegatus PLEIOBLASTUS fortunei
Qiongzhuea tumidissinoda Chimonobambusa tumidissinoda
SASA asahinae SASA shimidzuana
SASA humilis PLEIOBLASTUS humilis
SASA pygmaea PLEIOBLASTUS pygmaeus
SASA tessellata INDOCALAMUS tessellatus
SASA variegata PLEIOBLASTUS fortunei
Sasa veitchii ‘Minor’ Sasa hayatae
SASAELLA glabra ‘Albostriata’ SASAELLA masamuneana ‘Albostriata’
SASAELLA masamuneana rhyncantha SASAELLA masamuneana
SASAELLA rhyncantha SASAELLA masamuneana
SEMIARUNDINARIA villosa SEMIARUNDINARIA okuboi
SINARUNDINARIA FARGESIA
TETRAGONOCALAMUS angulatus CHIMONOBAMBUSA quadranqularis
THAMNOCALAMUS spathaceus FARGESIA murieliae
Thamnocalamus tessellatus Bergbambos tessellata
Yushania alpina Oldeania alpina
YUSHANIA aztecorum OTATEA acuminata ssp. Aztecorum

 

A American Bamboo Society publicou em 2010 a tabela acima atualizada, com sinônimos e nomes populares em inglês.

Veja mais em: http://www.plantnames.unimelb.edu.au/Sorting/Bamboo_names.html

 

O uso do bambu é intrínseco à raça humana. Mais de 75% das espécies fazem parte do dia a dia do Homo sapiens há milênios. Seu peso, sua abundancia e firmeza das fibras torna-o preferencia nas áreas rurais. Destas, 50 são de uso constante e cerca de 38 são prioritárias graças ao potencial de produção, qualidade das fibras, brotos e colmos. Sua eficiencia na recuperação de áreas de baixo retorno economico, degradadas por uso intenso ou erosão as coloca no topo da lista de vegetais com este potencial.

 

São elas:

Arundinaria gigantea, Bambusa vulgaris vittata, Bambusa vulgaris, Bambusa oldhamii, Bambusa bambos, Bambusa beecheyana,

Bambusa balcoa, Bambusa tulda, Bambusa tuldoides, Bambusa lako, Bambusa textiles, Merostachys skvortzovii,  Dendrocalamus asper, Dendrocalamus giganteus, Dendrocalamus latiflorus,

Dendrocalamus strictus, Dendrocalamus brandisi,

Dendrocalamus hamiltonnii, Gigantochloa atroviolacea,

Gigantochloa apus, Guadua superba, Guadua chacoensis,

Guadua angustifolia,  Guadua sarcocarpa, Phyllostachys pubecens, Phyllostachys makinoi, Phyllostachys bissetii, Phyllostachys bambusoides, Phyllostachys nigra, Phyllostachys edulis,  Shibatea chinensis,

Yushania alpinea, Oxitenanthera abissinica,

Schizostachyum aequiramosum, Nastus elatus, Indosasa crassifolia, Apoclada simplex e Chusquea culeou.

Alguns gêneros e sua adaptação no Brasil

Nome Pluviosidade

mm/anual

Temperatura Min/max ºC Resistente a geada Produtividade

Ton/há/ano

Brotos Colmos Nativo Combate a erosão
Bambusa vulgaris 900 5 a 40 Sim 30 X XXX XXX
Bambusa oldhamii 900 -10 a 40 Sim 50 XXX XXX XX
Bambusa bambos 1.200 5 a 40 Sim 90 XX XXX XXX
Bambusa tuldoides 1.000 -10 a 40 Sim 40 XX X XXX
Dendrocalamus asper 1.200 5 a 40 Não 70 XXX XXXX XX
Dendrocalamus latiflorus 1.200 5 a 40 Não 60 XXXX XXX XX
Guadua chacoensis 1.500 5 a 40 Não 60 X XXXX X XXX
Guadua superba 1.500 5 a 40 Não 60 X XXXX X XXX
Guadua angustifolia 1.500 5 a 40 Não 50 X XXXX X XX
Merostachys skvortzovii 1.000 – 10 a 40 Sim 40 XX X X XXXX
Phyllostachys bambusoides 1.200 -10 a 40 Sim 40 XXXX XXXX XXXX
Phyllostachys pubecens 1.200 -10 a 40 Sim 40 XXXX XXXX XXXX
Apoclada simplex 1.500 -5 a 40 Sim XXX XXX X XXXX

 

 

 

China

No ano 1600 antes de Cristo, bambus eram utilizados para fazer as pontas das flechas para caça e defesa. Em 1000 antes de Cristo, o Imperador Zhou Cheng ofereceu aos seus convidades o “Banquete de Brotos de Bambu”.  Em 700 antes de Cristo, nas ripas escreviam mensagens de texto. Em 221 antes de Cristo, as canetas eram em bambu. Em 265 antes de Cristo, o papel era de bambu. Em 700 depois de Cristo, um ditado da dinastia Tang dizia “Sem o Broto do Bambu não é banquete”. Em 960 depois de Cristo, Su Shi, um letrado professor publicou “Broto de bambu para alimento, telhas de bambu para cobertura das casas, chapéu de bambu para proteger da chuva, lenha de bambu para energia, fibra de bambu para roupas, papel de bambu para escrever e sapatos de bambu caminhar, isso é a vida – não se pode viver sem bambu”.   Na China são 4,84 milhões de hectares, 93,4% nas mãos de cooperativas, associações, cidades, vilas e vilarejos e proprietários rurais, cerca de 4,5 milhões de hectares.  Possui mais de 500 espécies em 40 gêneros. Só não ocorrem nas terras geladas e nos desertos. Dois usos distintos principais, colmos e brotos. O bambu ocorre em 24 províncias, mas principalmente em 10, sendo Fujian, Jiangxi, Zhejiang, Hunan, Sichuan, Guangxi, Anhui, Hubei and Chongqing. Metade das florestas nas três primeiras mencionadas. No sul e sudoeste estão Yunnan, Guangdong, Guangxi e Hainan, ao sul de 25ºN, no sudeste, zona tropical na região das monções. Com a maioria das espécies sendo do tipo simpodial ou entouceirantes. A maioria são florestas tropicais de bambu nativo, incluindo as grandes lenhosas como Dendrocalamus, Bambusa, Schizostachyum, Cephalostachyum, Chimonocalamus, Gigantochloa, Thyrsostachys, Neosinocalamus, e outras com menor intensidade. Nas região central e oeste, de 26º N até o rio Yangtsé, 33ºN, pertencendo já para a Zona subtropical ocorrem simpodial ou entouceirantes ou monopodial ou alastrantes. Como dos gêneros Phyllostachys, Indosasa, Sinobambusa, Indocalamus, Pleiobastus, Dedrocalamopsis e outros. Entre eles o Phyllostachys é o gênero mais importante economicamente, particularmente a espécie Phyllostachys pubescens, concentrado no Vale do Rio Yangtsé, a maior floresta de bambu plantada, somando 59% do total das florestas do vegetal em questão. Ao norte, do Rio Yangtsé ao Rio Amarelo, entre o paralelo 33ºN e o 37ºN ocorrem os amphipodial ou semi-alastrantes e os monopodial ou alastrantes, como Phyllostachys, Pleiobastus, Semiarundinaria e Thamnocalamus. Por seu potencial de contenção da erosão tanto pelos ventos quanto do solo, estas espécies têm grande importância na região, onde foram realizados plantios com irrigação por ser uma área com baixa pluviosidade. A irrigação foi realizada antes e depois da brotação.

 

O vegetal nasce entre a zona subtropital e a zona temperada, incluindo zona das monções, chegando a 4500 m de altitude. Ocorre em uma diversidade de climas, solos, relevos e biomas. Mais de 70% são florestas naturais, somando 3,19 milhões de hectares. As florestas plantadas chegam a 1,65 milhões de hectares. Produtores individuais possuem 2,03 milhões de hectares, 42% do total e associações, cooperativas, vilarejos, vilas, comunas, brigadas de produção ou cidades possuem 2,49 milhões, detendo 51% dos bambuzais. A espécie Phyllostachys pubescens ocupa 2 milhões de hectares. Mesmo tradicionalmente no comercio e na subsistência das famílias do campo, a importância deste vegetal foi ignorada por muitos e muitos anos. Com baixos investimentos e sem um Plano de Desenvolvimento Nacional para o setor. Em 1998, o Governo Central impôs duras regras no combate ao desmatamento e exploração florestal. Com a escassez de matéria prima no setor moveleiro, a gramínea gigante finalmente foi reconhecida pelo governo como um substituto ideal para a madeira e uma ferramenta para melhorar a qualidade de vida no campo. Na virada do século XX, a Administração Florestal do Estado, estabeleceu em 4 milhões de hectares a base de produção, sendo 3 milhões de florestas de baixo rendimento e um milhão de hectares para produção intensiva. No Plano de Desenvolvimento de Ciência e Tecnologia Florestal de Longo Prazo de 2010 incluiu projetos de pesquisa para alta tecnologia no processamento de colmos. Com as reformas na econômica rural e liberação do mercado, cresceu e adquiriu importância nacional. Mesmo ocupando apenas 3% das áreas florestais chinesas, hoje contribui com 25% nas exportações do setor. A região montanhosa de Anji, com abundantes bambuais nas encostas, na Província de Zhejiang, gerou muitas riquezas com as reformas na politica agrícola e na reestruturação agrária. Com 443.000 habitantes sendo 385.000 no campo, perto de 65% do município de um total de 118.692 hectares é coberto de florestas e quase a metade, 57.135 hectares com bambu. Depois de 30 anos sob o manto do sistema de comunas, com ineficiente e precário manejo do bambual, os camponeses foram encorajados a arrendar as terras, primeiro por 15 e depois ampliado a 30 anos. Eram permitidas a venda ou o processamento do bambu, depois de pagar de 5 a 10% de taxas. Em 1994, 91% das terras estavam nas mãos dos agricultores. Com um programa de assistência técnica e investimento em pesquisas pelo governo local, projetos de alta tecnologia em manejo e processos foram repassados aos bambuzeiros para o aumento da produtividade. Cerca de 20% dos 57 mil hectares estavam sob manejo intenso. Os resultados foram um aumento do rendimento em R$ 4.000,00 por hectare, sobre o manejo tradicional. O monopólio estatal do mercado local foi extinto, criando-se o mercado livre. Com intermediários, empresas, traders internacionais, proporcionando uma abertura do mercado bambuzeiro de Anji ao mundo.  Os compradores de matéria prima são indivíduos, que comercializam até 80% do total. Vilas e cidades possuem suas empresas estatais de processamento, com esteiras, pisos, painéis, palmitos de broto de bambu, e todo tipo de utensilio feito do vegetal. Em 1975 eram 19 empresas baseadas no processamento do bambu, 20 anos depois, em 1994 eram 527 empresas, totalizando 10.700 empregos diretos.  A área com bambu cresceu 26%. A produtividade dos colmos cresceu 80%. A renda per capita local dobrou.

Um exemplo em como mecanismos de mercado combinados à grande quantidade de matéria prima disponível torna-se uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento economico com aumento da renda e a geração de empregos no campo.  Desde 1950, as comunas agrícolas passaram por uma série de experiências mal sucedidas. As reformas agrárias no final dos anos 70, reestruturaram o manejo e a posse das terras aos indivíduos, garantindo o sucesso dos empreendimentos, mesmo a terra pertencendo ao Estado. A reforma agrária na China é uma disputa entre a igualdade social e a eficiência econômica. Os esforços para resolver o tênue tema, toma o tempo do governo, da coletividade rural e dos proprietários rurais nos últimos 20 anos.  Reconstruir a confiança pública na segurança da posse da floresta tem sido uma prioridade à medida que o país avança para um sistema de livre mercado. A política de ocupação das terras pode ser dividida em duas fases, perante o desenvolvimento sócio econômico chinês. Acompanhando a Revolução Comunista em 1949, todas as terras individuais foram redistribuídas aos camponeses. Em 1953, terras privadas foram confiscadas e passadas a pequenas cooperativas sob gerencia coletiva. A coletivização eliminou a produção privada. A revolução cultural entre 1966 e 1976 resultou no desmate generalizado, corte indiscriminado. Nenhum benefício direto ao produtor, sem incentivo a produzir; sem agricultura a fome chegou avassaladora; as florestas, aniquilaram; no pensamento momentâneo da incerteza política, sem plantio a futura colheita distanciou-se. O ponto da virada foi em 1978, com a criação do Sistema de Responsabilidade Familiar sobre a Terra. Mesmo nesse sistema, as terras pertencem às comunidades, mas sob responsabilidades individuais de manejo e produtividade. Requere vender parte da produção ao Estado, com preço fixo e o excedente no mercado livre. Com os resultados positivos do incentivo à produção e livre arbítrio na comercialização da produção agrícola, o sistema expandiu ao setor florestal. Os bambuzais multiplicaram quando da descoletivização dos bosques. Múltiplas formas no manejo dos bambuzais foram criados, desde parcelas com manejos individuais, parcelas com manejo pelas empresas privadas, parcelas manejadas pelas comunidades do entorno, sendo sempre a propriedade do Estado. Em 1981, após avaliação dos experimentos de coletivização e descoletivização, a Resolução dos Três Arranjos, sobre a proteção e desenvolvimento das Florestas, determinou que as comunas deviam repassar as terras para os indivíduos e suas famílias, após 30 anos de administração coletiva. O Ato marcou o inicio de diversas propostas de encorajamento do setor privado. Para dar subsistência no suprimento de madeira para combustão, os camponeses receberam entre 3.000 m2 e 10.000 m2, um hectare para o plantio de árvores ou bambu nas terras impróprias para a agricultura, conhecidas como “Colinas particulares”. Principalmente nas áreas montanhosas degradadas com erosão, foram ocupadas então com plantio de bambu e arbóreas, de forma intensa. O período de arrendamento varia entre 5 e 15 anos.

Um dos produtos mais promissores é o broto de bambu. A demanda cresce 12% ao ano. A produção cresce somente 8%. Com proteina entre 1,5 a 4%, 17 tipos de aminoácidos, o valor proteico chega a 35%.